Genética de paisagem de Bovinos no Brasil

<p>O objetivo deste estudo foi de explorar padrões de estrutura genética espacial em raças bovinas localmente adaptadas no Brasil. Os 876 animais das dez raças avaliadas foram georeferenciados usando o software QGIS 2.4.0, demonstrando os diferentes locais de amostragem. Os testes de Mantel, autocorrelação espacial e Teste de Monmonier foram realizados. Para os testes de correlação espacial as distâncias variaram de 5 a 15 classes. Em sequência os dados foram analisados utilizando o procedimento Forma da Paisagem Genética. Os resultados indicam descontinuidades genéticas no Centro-oeste, Sul e Sudeste. Existe uma falta de correlação entre distância genética e geográfica. Assim os animais geograficamente mais distanciados não são geneticamente mais distantes. O Monmonier Maximum Distance Algorithm indica em uma subdivisão inicial que separa o Curraleiro dos outros e depois o Pantaneiro dos outros. Outra subdivisão separa Crioulo, Mocho Nacional e Caracu. Se atendo que no município de Brasília e Alvorada do Norte tiveram três raças pontuadas: Caracu, Curraleiro e Mocho Nacional, mas para análise somente foram utilizados os dados da raça Curraleiro.<b> </b>Foi apresentada descontinuidade genética a partir dos 176 km quando analisados com uma quantidade maior de classes.</p> <p> </p>