Conforto térmico no Rio Grande do Sul durante o verão 2016/2017

<p>O conforto térmico (CT) é atingido quando todo o calor produzido, ou ganho pelo corpo humano, for igual à quantidade de calor perdido ao meio exterior, mantendo o balanço de energia. Essa pesquisa avaliou o conforto térmico no estado do Rio Grande do Sul (RS), durante o verão 2016/2017 através de dois índices biometeorológicos: os índices Temperatura Efetiva com Vento (Tev) e Índice de Calor (IC) são alguns dos métodos capazes de calcular as variáveis meteorológicas e relacioná-las com o CT. Foram utilizados dados meteorológicos do tipo horário-instantâneo de 35 estações meteorológicas automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), entre 00:00 UTC do dia 21/12/2016 até 00:00 UTC do dia 16/03/2017. Posteriormente, foram gerados mapas interpretativos das sensações térmicas, utilizando-se as classes de Temperatura Equivalente Percebida no software <i>Surfer - Surface Mapping System</i>. Os resulta<a></a>dos indicaram influência determinante do relevo e da latitude, para ocorrência de desconforto térmico no RS. A maior parte do território apresentou em média CT por<i> Neutralidade. </i>Nos horários das 09:00 UTC e 17:00 UTC, foi predominante o desconforto térmico por <i>Pouco Frio</i> e <i>Pouco Calor</i>, respectivamente<i>. </i>Algumas horas de intenso desconforto com a sensação de <i>Muito Frio </i>foram verificadas nas estações mais elevadas do Estado, enquanto que na região metropolitana de Porto Alegre houve desconforto por <i>Muito Calor</i>. </p>