Avaliação do microclima proporcionado por sistema silvipastoril com núcleos de árvores nativas

O ambiente térmico é um dos principais fatores de impacto econômico no rebanho leiteiro, trazendo efeitos negativos no comportamento e desenvolvimento de vacas leiteiras. O objetivo deste trabalho foi avaliar o microclima proporcionado pelo Voisin Silvipastoril com Núcleos Arbóreos (PRVnúcleos). A pesquisa foi realizada em uma propriedade leiteira no município de Santa Rosa de Lima, na região do sul de Santa Catarina. As avaliações ocorreram durante quatro dias consecutivos no mês de fevereiro de 2017, realizadas de forma instantânea nos seguintes horários: 09 h, 11 h, 13 h, 15 h e 17 h. Os registros microclimáticos foram realizados em três áreas dos piquetes: área sombreada no entorno dos núcleos arbóreos, área não sombreada, mas no entorno dos núcleos arbóreos e área a pleno sol afastada dos núcleos arbóreos. As médias das condições ambientais nas áreas sombreadas foram inferiores em relação às demais. Os resultados microclimáticos apresentaram diferença significativa (P<0,05) entre as variáveis de temperatura do ar, iluminância e temperatura superficial do solo nas três áreas estudadas. A temperatura do ar apresentou variação entre os tratamentos, sendo que nas áreas de sombra verificou-se 1,9°C de diferença em relação às áreas de sol. O tratamento área sombreada no entorno dos núcleos apresentou 91,3% de proteção contra radiação solar. Além disso, houve uma diferença de 212 lux a menos que na área do entorno dos núcleos que era ensolarada e 1643 lux a menos que as áreas de pleno sol afastadas dos núcleos arbóreos. Assim como ocorrido com a temperatura do ar e a iluminância, a temperatura superficial do solo na sombra foi inferior aos demais tratamentos, apresentando valores médios de 5,12°C a menos que nas áreas ensolaradas do entorno dos núcleos e até 8,32°C do que nas áreas a pleno sol. Com os resultados obtidos através dessa pesquisa, conclui-se que o sistema silvipastoril com núcleos arbóreos (PRVnúcleos) influenciou positivamente o microclima do entorno dos 40 núcleos arbóreos de cada hectare. Esta melhoria na ambiência invariavelmente refletirá positivamente nos efeitos do estresse térmico sobre a produção, reprodução e saúde do rebanho leiteiro durante os meses de verão.