Relação entre o dióxido de enxofre presente na atmosfera e as internações por esclerose múltipla: Um estudo na cidade de São Paulo

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica degenerativa, caracterizada como desmielinizante e inflamatória. Muitos estudos vêm demonstrando relações entre internações por EM e poluentes presentes na atmosfera, devido ao fato que estes podem aumentar a resposta inflamatória e desencadear surtos nos pacientes. O objetivo deste estudo foi identificar a influência do dióxido de enxofre (SO2) presente na atmosfera, nas internações por esclerose múltipla na cidade de São Paulo. Para realização deste trabalho foram obtidos dados mensais da temperatura do ar (mínima e máxima) e umidade relativa, da rede INMET e a concentração de SO2 pela CETESB. As internações mensais foram obtidas pelo departamento de informática do sistema único de saúde (DATASUS). O período de estudo compreende janeiro de 2008 a março de 2016. Os modelos de regressão linear múltipla obtidos indicaram relação positiva (p <0,001) do número de internações com o aumento do poluente SO2, sendo que 52,51% do número total de internações por EM podem ser explicados pelo aumento do SO2. Os resultados obtidos mostram que o SO2 pode ter influência significativa nas internações por EM em São Paulo.