Relação entre o dióxido de enxofre presente na atmosfera e as internações por esclerose múltipla: Um estudo na cidade de São Paulo

<p> A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica degenerativa, caracterizada como desmielinizante e inflamatória. Muitos estudos vêm demonstrando relações entre internações por EM e poluentes presentes na atmosfera, devido ao fato que estes podem aumentar a resposta inflamatória e desencadear surtos nos pacientes. O objetivo deste estudo foi identificar a influência do dióxido de enxofre (SO<sub>2</sub>) presente na atmosfera, nas internações por esclerose múltipla na cidade de São Paulo. Para realização deste trabalho foram obtidos dados mensais da temperatura do ar (mínima e máxima) e umidade relativa, da rede INMET e a concentração de SO<sub>2</sub> pela CETESB. As internações mensais foram obtidas pelo departamento de informática do sistema único de saúde (DATASUS). O período de estudo compreende janeiro de 2008 a março de 2016. Os modelos de regressão linear múltipla obtidos indicaram relação positiva (p <0,001) do número de internações com o aumento do poluente SO<sub>2</sub>, sendo que 52,51% do número total de internações por EM podem ser explicados pelo aumento do SO<sub>2</sub>. Os resultados obtidos mostram que o SO<sub>2</sub> pode ter influência significativa nas internações por EM em São Paulo. </p>