Efeito da temperatura e níveis de zinco sobre o desempenho de codornas japonesas de 1 a 21 dias

<p>Embora sua eficiência seja comprovada ainda não foi definido o melhor nível de suplementação na dieta de codornas japonesas na fase inicial em adversidade ambiental. Assim, objetivou-se determinar o melhor nível de suplementação de zinco na dieta de codornas japonesas de 1 aos 21 dias, submetidas a conforto térmico e estresse por calor. Foram utilizados 500 codornas (<i>Coturnix coturnix japonica</i>) fêmeas, com peso inicial de 7 g, distribuídas em 50 gaiolas, sendo 25 gaiolas em cada câmara climática e 10 aves por gaiola. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 5x2, sendo cinco níveis de zinco na dieta (30, 60, 90, 120 e 150 mg/kg de ração) e duas condições ambientais (conforto térmico e estresse por calor), com cinco repetições por tratamento. No 1°, 7°, 15 e 21°dia, as aves e as sobras de ração foram pesadas para determinar o consumo de ração (CR), ganho de peso (GP) e conversão alimentar (CA). Os níveis de zinco das dietas influenciaram o GP e CA das aves, não sendo observado efeito sobre o CR. Houve efeito do ambiente térmico sobre o CR e CA das aves, no conforto térmico as aves apresentaram maior CR, o ambiente não influenciou sobre o GP, apresentando melhor resultado de CA foi no estresse por calor.A criação de codornas japonesas de 1 a 21 de idade em uma maior temperatura ambiente não causa estresse aos animais e favorece seu desempenho nesta fase. O nível de zinco da dieta afeta o desempenho, sendo recomendado o nível de 60 mg/kg de ração.</p>