Efeito da inclusão do amendoim forrageiro e da adubação nitrogenada sobre a produção de CH4 entérico de novilhas em pastos de capim-marandu

O setor agropecuário é considerado um pilar da economia nacional, no entanto está entre os principais responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil, contribuindo com 55,8% de metano (CH4) proveniente da fermentação entérica. Frente a essa situação, o desafio no sistema produtivo de ruminantes é desenvolver dietas e estratégias de manejo que minimizem a produção de CH4, de modo a reduzir os impactos do aquecimento global e aumentar a eficiência produtiva. O presente estudo teve como objetivo avaliar a emissão de CH4 entérico por novilhas leiteiras mestiças mantidas em pastos de capim-marandu, fertilizados com nitrogênio ou em consórcio com amendoim forrageiro. Os tratamentos constaram de pastos de capim-marandu sem fonte nitrogenada, fertilizados com ureia e em consórcio com amendoim forrageiro. Para avaliação da emissão do CH4, foi utilizada a metodologia do gás traçador hexafluoreto de enxofre (SF6). A emissão de CH4 entérico diferiu entre períodos de avaliação e entre tratamentos, sendo as médias 46,2, 40,4 e 37,8 kg de CH4/cabeça/ano para os tratamentos adubado, consórcio e controle, respectivamente. A inclusão da leguminosa em pastagens de capim-marandu constitui em uma alternativa para a mitigação de CH4 entérico. A produção deste gás é afetada pelas variações sazonais de precipitação e temperatura que afetam a composição química do capim e, consequentemente, a emissão de CH4, o que pode explicar a variação na sua produção entre períodos de avaliação.