Correlação entre variáveis ambientais e fisiológicas de novilhas leiteiras mestiças

<p>Devido às perdas produtivas e reprodutivas, têm sido propostos estudos para avaliar indivíduos mais adaptados ao estresse pelo calor<b>.</b> Assim, objetivou-se correlacionar medidas fisiológicas de termorregulação de novilhas leiteiras mestiças e variáveis do ambiente térmico em Uberlândia-MG, Brasil. Oito novilhas mestiças foram expostas ao sol das 09h às 13h. Após, os animais foram conduzidos para o tronco para quantificar frequência respiratória (FR), temperatura retal (TR) e temperatura corporal superficial (TCS). Simultaneamente, foram obtidas a temperatura de bulbo seco (T<sub>A</sub>), a temperatura de bulbo úmido (T<sub>U</sub>), a temperatura do globo negro (T<sub>G</sub>) e a velocidade do vento (V). Realizou-se a estatística descritiva dos dados e a correlação simples de Pearson entre as variáveis fisiológicas e ambientais. As variáveis fisiológicas apresentaram média de FR 41,97 mov.min<sup>-1</sup>, TR de 38,8ºC e TCS no flanco preto e no flanco branco foram, respectivamente de 35,82°C e 35,04°C. Referente às variáveis ambientais, a T<sub>A</sub> média foi 29,96ºC, a T<sub>G</sub> média, 41,73ºC, a V teve uma variação de 0 a 1,2 m.s<sup>-1 </sup>e a umidade relativa do ar (UR) variou de 39% a 80%. A TR não correlacionou com nenhuma das variáveis ambientais avaliadas. A FR teve as maiores correlações com a T<sub>G</sub> e a V. Por fim, a TCS, seja no flanco branco ou no preto, teve as correlações mais expressivas com a T<sub>A</sub> e com a T<sub>G</sub>. A temperatura ambiente e do globo e velocidade do vento influenciam diretamente na frequência respiratória de novilhas leiteiras mestiças criadas em Uberlândia MG e estas são adaptadas às condições meteorológicas da região.</p>