Avaliação do índice de desconforto térmico humano e sensação térmica para as cinco regiões brasileiras em período de El Niño Oscilação-Sul (ENOS)

<p>O Brasil é um extenso país que possui cinco regiões administrativas com diferentes climas, decorrente principalmente das suas localizações geográficas. O fenômeno El Niño Oscilação Sul influencia no regime de temperatura e precipitação das regiões brasileiras, o que pode afetar diretamente na sensação térmica e desconforto térmico da população nestas regiões. Por esse motivo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a sensação térmica e o índice de desconforto térmico humano (IDH) nas regiões Norte, Nordeste, Centro-oeste, Sudeste e Sul do Brasil para os períodos de anos com El Niño (2015/2016) e La Niña (2007/2008) em comparação com um ano sem ocorrência destes fenômenos (2013/2014). Foram utilizados dados mensais de temperatura do ar, umidade relativa e velocidade do vento, obtidos de estações das capitais de cada estado brasileiro, através da rede de estações meteorológicas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). As sensações térmicas e IDH foram calculados utilizando equações específicas. Para que fosse possível analisar cada região como um todo, foram calculadas as médias de IDH e sensação térmica dos valores obtidos das capitais dos estados que compõem cada região. Como estes fenômenos ocorreram em anos diferentes, as análises foram feitas para o intervalo dos meses coincidentes de atuação de El Niño, La Niña e ano neutro (agosto a junho). Os resultados foram analisados por meio de tabelas e gráficos comparando as diferenças de sensação térmica e índice de desconforto térmico entre os períodos de ENOS e ano neutro das cinco regiões brasileiras. A partir dos resultados pôde-se concluir que os fenômenos El Niño e La Niña influenciam nas sensações térmicas e IDHs das regiões brasileiras, sendo que em sua maioria, o El Niño faz com que a sensação térmica e o desconforto devido ao calor aumentem e a La Niña faz com que diminuam. Este estudo é importante uma vez que esses fenômenos ao influenciarem a sensação e o conforto térmico, atingem diretamente o bem-estar e a saúde da população brasileira. </p>